Inge Lehmann, cientista dinamarquesa, ganha Doodle com planeta animado

Por carambola.com.vc - 13/05/2015

O 127º aniversário de Inge Lehmann recebeu uma bela homenagem na página inicial do Google, nesta quarta-feira (13).

A cientista, que revolucionou o estudo da sismologia, é responsável pela descoberta da consistência do núcleo do planeta. Nascida em Copenhague em 1888, Inge fez a análise de dados sísmicos e chegou a conclusão que a Terra não era formada por material fundido. A dinamarquesa afirmou, então, que o núcleo era composto por duas partes: uma exterior e outra interior – com propriedades físicas diferentes das presentes na superfície externa. Veja o Doodle animado de hoje.

 

inge-lehmann-google-doodle

A imagem que substituí o título do buscador nessa quarta-feira representa a principal descoberta de Lehmann, a Terra dividida em duas partes, com destaque para o seu núcleo, bem no centro. A menção à cientista dinamarquesa nesta semana traz uma coincidência infeliz: Lehmann iniciou suas descobertas em estudos sobre terremotos, que recentemente voltaram a atingir o Nepal.

“Notícias de um segundo terremoto grande no Nepal, em tão pouco tempo, dão um contexto triste a este post – e nos lembram da importância da ciência para prever terremotos, para que mais vidas possam ser salvas”, escreveu a equipe do Google.

A vida de Inge Lehmann

Inge Lehmann nasceu e cresceu em Østerbro, uma região de Copenhague. Frequentou uma escola pedagógico-progressiva e foi muito influenciada por seu pai, um psicólogo experimental. Alguns anos depois, cursou matemática nas universidades de Copenhague e Cambridge, mas não foi neste campo que se destacou.

inge-lehmann-retrato

Tornou-se assistente de um geodésio, Niels Erik Nørlund, e com ele passou a criar observatórios sismológicos na Dinamarca e Groenlândia. Em 1928, tornou-se geodésica de Estado e chefe do departamento de sismologia, o Instituto Geodésico da Dinamarca. Oito anos depois, entrou para a história com uma pesquisa.

Afinal, em 1936, foi a primeira a interpretar a chegada das ondas P no núcleo da Terra como reflexões provocadas por um núcleo interior. Essa constatação sugeria uma descontinuidade na estrutura sísmica da Terra, correspondente a uma região que dividiria o núcleo terrestre em duas partes distintas: uma interna e outra externa.

A interpretação foi aprovada, em alguns anos, por outros sismólogos importantes, como Beno Gutenberg, Charles Richter e Harold Jeffreys. A teoria atingiu tamanho sucesso, que a superfície que divide o núcleo terreste em dois passou a ser conhecida como Descontinuidade de Wiechert/Lehmann. Depois disso, Inge virou referência na área.

Nos anos seguintes, a dinamarquesa ocupou cargos altíssimos na sua área de estudo, como, por exemplo, presidente da European Seismological Federation e da Danish Geophysical Society, e vice-presidente da International Association of Seismology and Physics of the Earth’s Interior.

Além disso, recebeu muitos prêmios como reconhecimento pelo seu trabalho, como a medalha Emil Wiechert (1964), a Medalha de Ouro da Royal Society Dinamarquês de Ciências e Letras (1965), o Tagea Brandt Rejselegat (1938 e 1967), a eleição como membro da Royal Society (1969), a medalha de William Bowie (1971, como a primeira mulher), e a Medalha da Sociedade Sismológica Americana (1977).

Nesta quarta-feira, tornou-se tema do Doodle no dia em que completaria 127 anos de vida.

*Colaborou Thiago Barros


Via techtudo